Arquivo da categoria: music

ACID EYES

kap-party3

l_4507f4aeb1e94c13a7b9d25cd6e9fa8a1

l_91f5ddf06a2c459e8b150b1fbe5ce0ee2

l_0b34f7214e114dcd0f4dd9855008522a

l_76c517b4d12957508d0e3d8234891104

l_c9ecf7d7301e436eb6b05ef2bf784840

SAVE
directed by anthony Dickenson

http://www.myspace.com/kapbambino

Anúncios

SINGLES 08′

Continuando com minhas listinhas toscas de do que foi babado esse ano,os melhores singles,ou os que mais martelaram no meu ouvindo e de muita gente, tá que não faço muita idéia de quantas vezes em média uma pessoa ouve certa música em doze meses,mesmo nessa confusão dá pra escolher os singles favoritos:

Cut Copy – Far Away
Goldfrapp – A&E
Fake Blood – Mars
Foals – Cassius
HEARTSREVOLUTION – Wolves + Libertines
Hot Chip – Shake a Fist
Peaches – Fuck the pain away
Vive la fête – Nuit blanche
Stereo Total – Musique Automatique
Hot Chip – Ready For the Floor
The Knife – Heartbeats
Lily Allen – The Fear
Little Boots – Stuck On Repeat
MGMT – Electric Feel
Mystery Jets – Behind the Bunhouse
Chicks on speed – Wordy Rappinghood
Mystery Jets – Young Love
Simian Mobile Disco – Run
Crystal Castles – Crimewave
Telepathe – Chrome’s On It
The Killers – Human
Ladytron – Ghosts
The Presets – Anywhere
The Ting Tings – Shut Up and Let Me Go
Tilly and the Wall – Beat Control
Treasure Fingers – Cross the Dance Floor (Lifelike Remix)
Nouvelle Vague – Love will tear us apart
CSS – Left Behind
Natalie Portman’s shaved head – Sophisticated Side Ponytail

ALBUNS 08′

Sempre quando penso em fim de ano,me vem logo em mente listinhas! aquelas tosqueirices todas falando do que foi babado e tal no ano inteiro. É muito tosco  whatever eu adoro, vou começar com os melhores discos que saíram esse ano:

lotpcover Late of the Pier – Fantasy Black Channel

O primeiro que me veio na cabeça, mas também pudera, um dos que mais me arrancou arrepios esse ano com essa enchente de singles bizarros e eletriexcitante. Mais uma vez os característicos breaks mudam a cara do lado psicodélico. Todo inusitado e empolgante, cheio de coisas inéditas,estranhas e que todo mundo que ouviu teve ataques de arrepios, pronto.

ladyhawke_s-t_album

Ladyhawke – Ladyhawke (ModularRecords)

Quando ouvi  “Paris is burning” pela primeira vez de cara já imaginei virando febrão, foi até num remix não lembro de quem. Cheia de  riffs de guitarra e batidas dançantes com rapidez e equilíbrio nos baimentos e na pista essa mistureba vira um escândalo, não tinha outra saída a não ser virar febre mesmo, pela Europa e mundo afora.  Ladyhawke tem letras  simples e cruas  nas batidas fortes de electro-pop 80’s que vão te empurrando no álbum e quando você vai ver,seu ouvidos já foram engolidos pelos tambores.  A melhor maneira de se desvergonhar pelo descabelamento do amor ao electro-pop oitentão.

foals_antidotes Foals – Antidotes

O Foals desafiou criar músicas frenéticas, que fossem dançantes, com instrumentos convencionais. E eles conseguiram,quem já assistiu o show deles pode confirmar melhor isso,eu não sou a mais indicada haha. A banda super diminuiu a interferência eletrônica das demos antigas, fugiram do estilo mais acelerado e aterrizaram mais no minimalismo. Mas isso não é nada entediante como eu imaginava,as músicas de Antidotes vibram como se tivesse uma colméia fundindo seu cérebro,liando!

natalie-portmans-shaved-head-glistening-pleasure

Natalie Portman’s shaved head – Glistening Pleasure

Sophisticated Side Ponytail só de começar já vai me dando uns calafrios saracutitantes. Melodias pegajosas e engraçadas no álbum inteiro, estréia boom do NPSH que mais querem é ferver em festas do que cair na mesmice. Os synths são absurdos, pesados fazendo papel de baixo e os oitentistas bem agudos e climáticos,dá pra fazer um repertório inteiro de performances esquisitonas na hora de dançar. Xônei.

l_5db3b2efb960adeb9eaf6d9bc6477632

Metronomy – Nights Out
Cinco vezes é muito pouco pra ouvir ‘Nights Out’ e por essas e outras, Metronomy também tinha que ter! No meu caso que adoro musiquinha levemente chiclete e com a letra que faz a gente parar e pensar nas cagadas e mongolices da vida, perdi a conta de quantas vezes apertei repeat na “Heartbreaker”. O álbum é todo meio suspeito disso, uma tema como se fosse contando todas as vezes que você sai pra rir e se divertir e só acontece mierda. Misericórdia!

LATE OF THE PIER

O Late of the Pier diz que não são new rave,mas quem se importa? o que interessa é que eles vão fazer você sacudir essas cadeiras,woooo!
Mas a banda é fofa demais pra se resumir em só danças-conspiradoras,bate-cabelo e rebolation-demente,tem batidinhas inevitáveis de não se apaixonar e não vir mais em mente.
E pelo que ouço por aí a febre tá tanto no meio do glam-thrash britânico,que o povo sai dos shows querendo se casar com os caras (já pensei em fazer isso,mas não passo de uma groupie frustrada). En-fim,eles não se consideram uma banda pra se apaixonar e casar de vez,mas são claramente uma banda pra se apaixonar e casar de vez,ou pelo menos pra se entupir de vodka de madrugada e dançar freneticamente.

Bathroom Gurgle

O álbum já está para sair no Reino Unido, mas não será liberado nos EUA até janeiro. O que de se esperar dos novos ouvintes da banda?

Andrew Faley: Uma coisa que eu poderia dizer sobre pessoas que vêem  nosso show ao vivo é que eles devem esperar para ouvir a música a ser tocada muito honestamente.Não utilizamos qualquer subterfúgio, acabamos de tocar todas as peças diferentes com os nossos instrumentos, por isso, se você ouvir algo, você verá que o que está sendo tocado.

Ross Dawson: O álbum em si foi construído a partir da espécie de nossos bits favoritos ao longo dos últimos quarenta anos.

AF: Tomamos  centenas de elementos de diferentes bandas e centenas de diferentes músicos. Hoje você tem a internet e as coisas que  te mostram de forma esmagadora como o mundo da música é, portanto, não deveria haver qualquer pretexto para que as pessoas têm um número limitado de influências. Nós não podemos ajudar, mas tenho esta forma de escrever canções dispersas e levar as coisas a partir de tudo.

Sam Potter: Todos nós alfinetamos nossos ouvidos com coisas que não se ouve sobre registros ou na rádio. Podemos facilmente nos desligar ouvindo algo que tem sido feito muito antes.

Heartbeat

Qual é o seu favorito parte do processo de produção de música: gravação ou tocar?

SP: É tudo em uma espécie de mistura. Iremos escrever alguma coisa, tocarmos ela no show, e vamos ter que gravá-la, e ela vai crescer a partir daí. Especialmente em canções desse álbum, que têm sido através desse ciclo inúmeras vezes.

Sam Poeira: Acho que o tipo de canções que têm presa com nós tiveram menos besteiras que lhes são inerentes. Acabamos de excluir aquelas músicas que nós temos como mais tensas depois de um tempo, porque se elas não oferecem qualquer tipo de prazer, então elas parecem realmente que não valem a pena.

Como é que vocês se conheceram primeiramente?

AF: Nós conhecemos uns aos outros eternamente pois todos nós crescemos na mesma cidade, mas foi só com 15 anos, quando já estávamos todos juntos, começamos a colocar a idéia pra fora. A primeira idéia surgiu porque Sam tinha carregadores de instrumentos em seu sótão que era do seu pai. Nós usávamos só para sentar e acertar strings. Foi a nossa ideia de começar uma banda, mas ela nunca foi de ser uma banda que toca gigs e tal. Era só uma coisa que a gente gozava, e para ter algo para fazer.

A imprensa britânica tem sido rápida para rotular vocês como herdeiros da new rave. Esta é a chance de aceitar ou rejeitar o título?

AF: New rave foi algo inventado para usar na imprensa e, em vez da imprensa começar a utilizá-lo. E tornou-se uma absoluta piada e todo mundo sabe que é uma piada.

DP: Acho new rave é o novo “assuma a rave”, não é? Tipo de redefinir e progredir. Mas não creio que todos os que nos vêem, não vêem tocando música rave. É óbvio que as pessoas querem ouvir gêneros musicais para explicar onde vieram, e acho que essa é a forma como descreve música para todos os seus amigos. O problema é que cada vez menos pessoas estão fazendo música para um gênero específico.

The Bears Are Coming

Se vocês pudessem tocar com alguém,quem seria?

AF: Nós falamos com o nosso selo ontem e dissemos que eu queremos fazer um show com o Devo ou B-52s. Isso seria realmente uma merda fixe line-up.

DP: Seria fantástico tocar com o Syd Barrett-do Pink Floyd, e a luz mostra como usar seu bem.

RD: Sim, Pink Floyd.

SP: Eu acho que seria muito legal tocar com a Magma. Isso seria fantástico.

DOWNLOAD 0800 DE SPACE AND THE WOODS

DOWNTOWN

Cause I wanna take you down townnnnnn

Altamente recomendado – Bishop Allen

Me contem,gostaram da playlist montada pelo Kevin Barnes? A última que eu postei (eu acho) e única (eu acho two) mas se não gostaram também,se não agradou ninguenzinho nenhuma alma que tem colapso por coisas que vêm do Of Montreal, ok! acabo de traduzir outra aqui,com muito sufoco com meu inglês bichado fiquem sabendo.

E ah agora é completamente diferente no quesito gosto musical, larguemos o glam-rock do Kevin Barnes e todas as bowieolices (tá-parei) de lado e atolemos o pé num rock mais bagaceira, NÃO! ESPERA bagaceira não no sentido de lixo,mas como se fosse uma coisa mais subversiva [mas tem calminha também] ai deu pra entender né.

A Playlist não-infinita do Bishop Allen. Ai outra coisa: OUÇAM BISHOP ALLEN!

The Modern Lovers – “Roadrunner”

Nós reduzimos a Rota 128 durante a noite só para ouvir esta música em seu contexto original. Isso foi antes de o motor pegar fogo e derreter todo o carro. Deixei-o pago para ter aviso do “lembra-fábrica”.

The Easybeats – “Friday On My Mind”

Como pode essa música ser tão estranha com tantasarticulações e continuar sendo tão atraente? Eu voltei a estudar ela. Tentamos fazer um cover dela recentemente, mas é impossível.

Jawbreaker – “Boxcar”

Sabia-se mutuamente antes de nós,corri até Christianno no show do Jawbreaker em Northampton. Tínhamos uma turma unida, mas nunca tínhamos nos falado até aquela noite.

Delta 5 – “Mind Your Own Business”

Passamos muito tempo com uma compilação chamada Wanna Buy A Bridge ? Esta música foi sobre essa compilação. O “plunky octave bass” foi quando começamos a pensar o que podemos fazer com as partes do baixo na música.

The Clash – “Spanish Bombs”

Ouvindo The Clash, foi: “Como é que eles fazem isso?” A maneira como tocar guitarra e cantar juntos em conjunto. “Será que deveríamos aprender espanhol?” Eu queria ter aprendido.

Operation Ivy – “Hoboken”

Operação Ivy foi uma descoberta precoce para nós os dois-[voltando] do colegial. Christian me mostrou como tocar todas as músicas no violão.

The Buzzcocks – “Ever Fallen In Love”

Os Buzzcocks foram nítidos e engraçados e estranhos. Eles tinham que rosnar, mas eles não estavam de todo thuggish. Perfeito para a gente.

The Misfits – “Where Eagles Dare”

A primeira vez que vi Christian tocar música foi no Halloween, com uma banda cover do Misfits. Eu fui ao seu quarto, e ele tinha escrito “MISFITS” na porta … com sangue!

Young Marble Giants – “Final Day”

Me lembro de ouvir isso e dizer: “Quem precisa de bateria?” Nessa altura, não tínhamos um baterista.

The Castaways – “Liar, Liar”

Tinha um lugar enorme de gravações anos 60-garage  na delegacia, e este foi um de nossos favoritos. O órgão, a guitarra bend-y, os vocais trocados …

Television Personalities – “Part Time Punks”

Também em ‘Wanna Buy a Bridge? ‘ eu percebi ouvindo esta música o quanto eu gosto de música que te faça sentir em casa. Isso aproxima. Isso foi quando começamios a fazer por volta da quarta faixa gravada.

Devo – “Uncontrollable Urge”

Christian também tocava numa banda cover do Devo. Eles só tocou em um show, e eles foram recompensados como no: “Devo Live! (todos os novos membros).” Eles pregaram as músicas, a coreografia, as roupas customizadas: tudo.

Syd Barrett – “Octopus”

Eu acho que foi “I Know Where Syd Barrett Lives” pela Television Personalities que nos conduziu até aqui, ou talvez isso foi só a história de como ele perdeu a cabeça após o início Pink Floyd. A energia estranha dessa música sempre aparece certa.

The Jam – “In the City”

Nós fomos atraídos pelas músicas que eram rápidas e cativantes. Esta é uma perfeita. [Eles são] surradores afiados com margens engraçadas.

The Hollies – “Bus Stop (Single Version)”

The Hollies colocam suas músicas juntas de forma estranha. Lembro-me tentando descobrir o acorde mudado nesta música por horas e horas.  “A bridge?  What’s a bridge?”

The Zombies – “This Will Be Our Year”

O final perfeito para qualquer playlist. Uma canção que vende um sentimento sem parecer sentimental. Eu acredito nisso.

NIGHTS OUT


Só porque hoje passa a transmissão deles ao vivo de Paris às 0h30min,quem tiver disposto agarra o barril de café aí e vidra aqui http://www.live-concert.sfr.fr/